Uma lista dos Maçons na hierarquia da Igreja Católica

 

 

I.      Introdução

A essência do Terceiro Segredo de Fátima é de que o satanás penetrou na Igreja Católica, trazendo com ele agentes para ocupar as mais altas posições da Igreja. Eis aqui as revelações da Bem-Aventurada Virgem Maria e Nosso Senhor Jesus Cristo através da Veronica Lueken como porta-voz:

·       “Eu lhes adverti repetidas vezes que satanás penetraria nas mais elevadas posições da hierarquia em Roma. O Terceiro Segredo, Minha filha, é que satanás entraria na Igreja de Meu Filho.” (Nossa Senhora através de Veronica em 13 de maio de 1978).

·       “Satanás, Lúcifer em forma humana, entrou em Roma no ano de 1972. Ele ceifou a regra do Santo Padre, o Papa Paulo VI. Lúcifer tem controlado a Roma e continua o seu controle agora.” (Nossa Senhora através de Veronica em 7 de setembro de 1978).

·       “Eu digo esta noite, como seu Deus, que naquela data, como prometido em Fátima, satanás entrou na Minha Igreja sobre a terra. Ele trouxe consigo seus agentes - e o próprio satanás em pessoa, para enganar toda a humanidade - sentou-se no Vaticano II e manipulou todos os de fora a entrar e distorcer as Minhas Doutrinas e distorcer a Verdade... Vocês devem gritar e dizer que satanás está na Igreja, Minha Igreja sobre a terra. Ele sabe que o seu tempo está acabando.” (Nosso Senhor através de Veronica Lueken em 18 de junho de 1986).

·       “Sim, Minha filha, o Vaticano II iniciou-se com as melhores soluções, mas então, satanás dominou a cena. E com seus agentes atingiu as mais altas posições, a mais alta liga da Hierarquia, até, Me entristece dizer que muitos sacerdotes estão agora na estrada da perdição e levando muitos outros com eles.” (Nosso Senhor através de Veronica Lueken em 25 de julho de 1985). 

Estes são confirmados pelo menos por uma outra fonte: as palavras da Bem-Aventurada Virgem Maria ao Padre Don Stefano Gobbi:

·       “Estou chorando porque a Igreja continua ao longo da sua estrada da divisão, da perda da verdadeira fé, da apostasia e de erros que estão sendo espalhados mais e mais, sem ninguém oferecer oposição a eles. Mesmo agora, o tempo que Eu predisse em Fátima e na qual revelei aqui na terceira mensagem confiada à minha pequenina filha (i. e., Irmã Lúcia) está no processo de se realizar. E, portanto, mesmo para a Igreja, o momento da grande provação chegou, pois o homem da iniqüidade se estabelecerá nela e a abominação da desolação entrará no Santo Templo de Deus.” (“Para os Sacerdotes, os Amados Filhos da Nossa Senhora” N. 362, 15 de setembro de 1987, p. 572).

·       A besta negra como leopardo indica o Franco-Maçonaria; a besta com dois chifres como um cordeiro indica o Franco-Maçonaria infiltrado no interior da Igreja, isto é, Maçonaria eclesiástica, que se espalhou especialmente entre os membros da hierarquia. Esta infiltração maçônica, no interior da Igreja, já foi prevista a vocês por Mim em Fátima, quando Eu anunciei para vocês que satanás entraria até no mais alto posto da Igreja. Se a finalidade da Maçonaria é levar almas para a perdição, trazendo-os para a adoração de falsas divindades, a finalidade da Maçonaria eclesiástica, por outro lado, é a de destruir Cristo e a Sua Igreja, construindo um novo ídolo, denominado falso cristo e na falsa igreja.” (“Para os Sacerdotes, os Amados Filhos da Nossa Senhora N. 406, 13 de junho de 1989, p. 649). 

Esta é a previsão da força combinada de Comunistas e Maçons gradualmente tomando conta da Igreja e finalmente conseguindo instalar um Anti-Papa que será um lacaio do Anti-Cristo vindouro. Assim se completará o mistério da iniqüidade.

·       “A besta negra é também a Maçonaria que se infiltrou na Igreja, e a hostiliza, fere-a procurando demoli-la com sua tática enganadora. Como uma nuvem venenosa, seu espírito vagueia por todo lugar, a fim de paralisar a fé, extinguir o ardor apostólico e produzir ainda maior alienação de Jesus e do seu Evangelho.” (Op. cit., N. 267, 29 de junho de 1983, p. 391). 

Por favor, leiam outras mensagens dadas ao Padre Gobbi, sobre o Grande Dragão Vermelho, A Besta Como Um Leopardo, e A Besta Como Um Cordeiro. 

Neste artigo apresentamos algumas evidências concretas da infiltração dos Maçons nos mais altos níveis da Igreja exceto o trono Papal (até agora, não). Virtualmente em todas as mensagens de videntes verdadeiros por todo o mundo, o Papa João Paulo II tem sido chamado “O Papa escolhido por Deus”. Nossa Senhora chama-o “Ele é o meu Papa”, “O Papa da minha luz” (Para os Sacerdotes, os Filhos Amados da Nossa Senhora, N. 359, 13 de agosto de 1987, p. 564) e Ela pede a todos os Sacerdotes a apoiá-lo e defendê-lo (Op. cit., N. 162, 17 de outubro de 1978, p. 225).

Nossa Senhora tem advertido repetidamente sobre as tentativas de assassinato contra o Papa João Paulo II. Ela disse:

·       Como Eu me dirigi a vocês antes, Lúcifer procura remover o seu Vigário, para que o Trono de Pedro se esvazie. Confusões então, acontecerão... E, então, sem as suas orações e atos de penitência, chegará ... o fim!” (Nossa Senhora através de Veronica Lueken, em 2 de outubro de 1979).

·       “A menos que vocês orem para o seu Vigário o Papa João Paulo II, ele será removido do meio de vocês. E, se isto acontecer, haverá o pior sacrilégio cometido na cidade de Roma e nas paróquias do mundo inteiro... Quando o Papa João Paulo II for removido, a Igreja se dividirá por dentro. Unida, ela permanecerá; dividida, ela cairá.” (Nossa Senhora através da Veronica Lueken, em 18 de março de 1983). 

O Papado tem sido um obstáculo para a eleição do Anti-Papa. Por isso, Lúcifer quer remover o Papa João Paulo II do trono papal antes que o Anti-Cristo possa ser revelado. Isto está indicado no 2 Tessalonicenses 2:3-10 :

·       Ninguém de modo algum vos engane, porque (isto não será) sem que antes venha a apostasia e sem que tenha aparecido o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se oporá (a Deus) e se elevará sobre tudo o que se chama Deus ou que é adorado, de sorte que se sentará no templo de Deus, apresentando-se como se fosse Deus. Não vos lembrais que eu vos dizia estas coisas, quando ainda estava convosco? E vós agora sabeis o que é que o retém, a fim de que seja manifestado a seu tempo. Com efeito, o mistério da iniqüidade já se opera, somente falta que aquele, que agora o retém, desapareça. E então se manifestará esse iníquo (a quem o Senhor Jesus matará com o sopro da sua boca e destruirá com o resplendor da sua vinda); a vinda dele é por obra de satanás, com todo o poder, com sinais e prodígios mentirosos e com todas as seduções da iniqüidade para aqueles que se perdem, porque não abraçaram o amor da verdade para serem salvos. Por isso Deus lhes enviará o artifício do erro, de tal modo que creiam na mentira.

A seguir apresentamos uma cópia com pequenas atualizações do artigo Maçons em Fidelis et Verus (Fiel e Verdadeiro), número 9, março-junho de 1987. P. O  Box 409, Bethany, Missouri 64424, USA.

 

II.    Maçons na Igreja Católica

A Maçonaria mina todas as religiões. Numerosos Papas têm falado e escrito sobre os grandes males desta organização secreta e infiltrante. Neste artigo, apresentamos o nosso terceiro “exposé” sobre a Maçonaria e Franco-Maçonaria, no esforço de alertar o fiel para um fato assustador: a Maçonaria se infiltrou na Igreja; ou como o próprio Papa Paulo VI expressou:  “A fumaça de satanás entrou na Igreja”.  Nós não clamamos a autoria da informação abaixo. Antes, nós a selecionamos de livros e outras fontes fidedignas, os quais damos crédito e pleno acordo. O leitor está livre de tirar as suas próprias conclusões. 

Começamos com um trecho do Humanum Genus, Encíclica do Papa Leão XIII sobre o Franco-Maçonaria:

·       “Se outras provas são necessárias, este fato seria suficientemente conclusivo para testemunhar o homem bem informado, de quem alguns em outros tempos, e os outros de novo recentemente, têm declarado ser verdade que os Franco-Maçons desejam de maneira especial atacar violentamente a Igreja com hostilidade irreconciliável e que nunca descansarão até destruírem o que quer que o Sumo Pontífice tenha estabelecido para o bem da religião.”

·       “Se aqueles que são admitidos como membros não são ordenados a abandonar por alguma forma as doutrinas Católicas, esta omissão, longe de adversa aos desígnios dos Franco-Maçons, é mais útil para os seus propósitos. Primeiro, desta maneira,  facilmente enganam os simplórios e os descuidados e podem induzir um grande número de incautos a se tornarem seus membros. Ora, como todos que se oferecem são recebidos, qualquer que seja a sua forma de religião, portanto, ensinam o grande erro desta era - que a questão da religião pode ser considerada uma matéria indiferente, e que todas as religiões são parecidas. Esta forma de raciocínio é calculada para trazer ruína a todas as formas de religião e, especialmente a Religião Católica, que, sendo a única verdadeira, não pode, sem grande injustiça, ser considerada meramente igual às outras religiões.” 

Anne Catherine Emmerich (1774~1824), uma freira Agostiniana alemã, estigmatizada (possuía os estigmas de Cristo), e vidente, que subsistiu inteiramente de água e de Santa Comunhão durante muitos anos, recebeu inúmeras visões das crises futuras na Igreja e as infiltrações dos Maçons. Nas suas visões, ela descreve homens de aventais, destruindo a Igreja com a colher de pedreiro. Os maçons usam avental e o seu símbolo é a colher maçônica. Os seguintes trechos se encontram na página 565 da Vida de Anne Catherine Emmerich, Vol. I, Rev. K. E. Schmörger, Tan Books, 1976:

·       “Vi a Igreja de S. Pedro. Uma multidão de homens estava tentando derrubá-la, enquanto outros a reconstruíam constantemente. Linhas conectavam estes homens com os outros e outros através do mundo inteiro. Impressionei-me com a perfeita sintonia deles.”

·       “Os demolidores, na sua maioria apóstatas e membros de diferentes seitas, quebravam todas as peças e trabalhavam segundo regras e instruções. Eles vestiam aventais brancos amarrados com fitas azuis. Neles haviam bolsos e tinham colheres de pedreiro presos à cintura. A vestimenta dos outros era variada.”

·       “Havia, entre os demolidores, homens distintos vestindo uniformes e crucifixos. Eles não punham a mão na massa, mas marcavam sobre as paredes com a colher, indicando onde e como devem ser derrubadas. Para o meu horror, vi entre eles, sacerdotes Católicos. Quando os trabalhadores não sabiam como continuar, eles procuravam alguém certo do seu partido. Este tinha um livro grande que parecia conter todo o plano do edifício e a maneira de destruí-lo. Marcava exatamente as partes a serem atacadas com a colher, e logo elas vinham abaixo. Trabalhavam silenciosamente e com confiança, porém, astutamente, furtivamente e cuidadosamente. Vi o Papa rezando, cercado por falsos amigos que freqüentemente faziam o oposto daquilo que ele ordenava...” 

Segue abaixo uma lista dos Maçons, reimpressa com alguma atualização do Bulletin de l’Occident Chrétien Nr. 12, julho de 1976, (Directeur Pierre Faturada a Fye - 72490 Bourg  Le Roi.) Todos os homens nesta lista, caso sejam Maçons de fato, estão excomungados pela Lei Canônica 2338. O nome de cada um é seguido pela sua posição quando conhecida; a data em que se iniciaram na Maçonaria, o seu código #; e o seu nome de código se conhecido. 

1.     Albondi, Alberto. Bispo de Livorno, (Leghorn). Iniciou-se em 05 de agosto de 1958; ID #7-2431.

2.     Abrech, Pio. Sagrada Congregação dos Bispos. 27/11/67; #63-143.

3.     Acquaviva, Sabino.  Professor de Religião na Universidade de Pádua. 03/12/69; #275-69.

4.     Alessandro, Padre Gottardi. (Endereçado como Doutor nos encontros maçônicos) Presidente de Fratelli Maristi. 14/06/59.

5.     Angelini, Fiorenzo. Bispo de Messenel, Grécia. Elevado a Cardeal em 1991. 14/10/57; #14-005

  Fiorenzo Angelini

6.     Argentieri, Benedetto. Patriarca da Santa Sé . 11/03/70; #298-A

7.     Bea, Augustin. Cardeal. Secretário de Estado (depois do Papa na hierarquia) sob Papa João XXIII e Papa Paulo VI.

  Augustin Bea

8.     Baggio, Sebastiano. Cardeal. Prefeito da Sagrada Congregação dos Bispos. (Esta é uma Congregação crucial, visto que é ela que aponta os novos Bispos). Secretário de Estado sob Papa João Paulo II de 1989 a 1992. 14/08/57; #85-1640. Nome de código maçônico “SEBA”. Controla a consagração de Bispos.

9.     Balboni, Dante. Assistente Pontifical do Vaticano. Comissão para Estudos Bíblicos. 23/07/68; #79-14 “BALDA”.

10.  Baldassari, Salvatore. Bispo de Ravena, Itália. 19/02/58; #4315-19. “BALSA”.

11.  Balducci, Ernesto. Artista de esculturas religiosas. 16/05/66; #1452-3.

12.  Basadonna, Ernesto. Prelado de Milão, Itália. 14/09/63; #9-243. “BASE”.

13.  Batelli, Guilio. Membro leigo de muitas academias científicas. 24/08/59; #29-A “GIBA”.

14.  Bedeschi, Lorenzo. 19/02/59; #24-041. “BELO”.

15.  Belloli, Luigi. Reitor do Seminário, Lombardia, Itália. 06/04/58; #22-04. “BELLU”.

16.  Belluchi, Cleto. Bispo Assistente de Fermo, Itália. 04/06/68; #12-217.

17.  Bettazi, Luigi. Bispo de Ivera, Itália. 11/05/66; #1347-45. “LUBE”.

18.  Bianchi, Giovanni.  23/10/69; # 2215-11. “BIGI”.

19.  Biffi, Franco. Monsenhor Reitor da Igreja da Universidade Pontifícia S. João Latirão. Ele é a cabeça desta Universidade e controla o que está sendo ensinado. Ele ouvia confissões de Papa Paulo VI. 15/08/59. “BIFRA”.

20.  Bicarella, Mario. Prelado de Vicenza, Itália. 23/09/64; #21-014. “BIMA”.

21.  Bonicelli, Gaetano. Bispo de Albano, Itália. 12/05/59; #63-1428. “BOGA”.

22.  Boretti, Giancarlo.  21/03/65; #0-241. “BORGI”.

23.  Bovone, Alberto. Secretário Substituto do Sagrado Ofício. 30/03/67; #254-3. “ALBO”.

24.  Brini, Mario. Arcebispo. Secretário dos Chineses, Orientais e Pagãos. Membro da Comissão Pontifical Russa. Tem o controle da redação das Leis Canônicas. 07/07/68; #15670. “MABRI”.

25.  Bugnini, Annibale. Arcebispo. Escreveu a Missa Novus Ordo. Enviado a Irã. 23/04/63; 1365-75. “BUAN”.

26.  Buro, Michele. Bispo. Prelado da Comissão Pontifical para América Latina. 21/03/69; #140-2. “BUMI”.

27.  Cacciavillan, Agostino. Secretariado do Estado. 06/11/60; #13-154.

28.  Cameli, Umberto. Diretor no Ofício dos Assuntos Eclesiásticos da Itália, em relação à educação da doutrina Católica. 17/11/60; #9-1436.

29.  Caprile, Giovanni. Diretor de Assuntos Civis Católicos. 05/09/57; #21-014. “GICA”.

30.  Caputo, Giuseppe. 15/11/71; #6125-63. “GICAP.

31.  Casaroli, Agostino. Cardeal. Secretário do Estado (depois do Papa) sob Papa João Paulo II desde 1 de julho de 1979 até aposentadoria em 1989. 28/09/57; #41-076. “CASA”.

  Agostino Casaroli

32.  Cerruti, Flaminio. Chefe de Ofício da Universidade de Estudos da Congregação. 02/04/60; #76-2154. “CEFLA”.

33.  Ciarrocchi, Mario. Bispo. 23/08/62; #123-A. “CIMA”.

34.  Chiavacci, Enrico. Professor de Teologia Moral, Universidade da Florença, Itália. 02/07/70; #121-34. “CHIE”.

35.  Conte, Carmelo. 16/09/67; #43-096. “CONCA”.

36.  Cresti, Osvaldo. 22/05/63; #1653-6. “CRESO”.

37.  Crosta, Sante. 17/11/63; #1254-65. “CROSTAS”.

38.  Csele, Alessandro. 25/03/60; #1354-09. “ALCSE”.

39.  Dadagio, Luigi. Núncio Papal para Espanha. Arcebispo de Lero. 08/09/67; #43-B. “LUDA”.

40.  D’Antonio, Enzio. Arcebispo de Trivento. 21/06/69; #214-53.

41.  De Bous, Donate. Bispo. 24/06/68; #321-02. “DEBO”.

42.  Del Gallo Reoccagiovane, Luigi. Bispo.

43.  Del Monte, Aldo. Bispo de Novara, Itália. 25/08/69; #32-012. “ADELMO”.  

44.   Drusilla, Italia. 12/10/63; #1653-2. “DRUSI”.

45.  Faltin, Danielle. 04/06/70; #9-1207. “FADA”.

46.  Ferraioli, Giuseppe. Membro da Sagrada Congregação para Assuntos Públicos. 24/11/69; #004-125. “GIFE”.

47.  Franzoni, Giovanni.  02/03/65; #2246-47. “FRAGI”.

48.  Fregi, Francesco Egisto. 14/02/63; #1435-87.

49.  Gemmiti, Vito. Sagrada Congregação dos Bispos. 25/03/68; #54-13. “VIGE”.

50.  Girardi, Giulio. 08/09/70; #1471-52. “GIG”.

51.  Fiorenzo, Angelinin. Bispo. Título de Comendador do Espírito Santo. Vigário Geral de Hospitais Romanos. Controla fundo mútuo de hospital. Bispo Consagrado em 19/7/56; aderiu à Maçonaria em 14/10/57.

52.  Giustetti, Massimo. 12/04/70; #13-65. “GIUMA”.

53.  Gottardi, Alessandro. Procurador e Postulador Geral de Irmãos Maristas. Arcebispo de Trento. 13/06/59; #2437-14. “ALGO”.

54.  Gozzini, Mario. 14/5/70; #31-11. “MAGO”.

55.  Grazinai, Carlo. Reitor Do Seminário Menor do Vaticano. 23/07/61; #156-3. “GRACA”.

56.  Gregagnin, Antonio. Tribuno de Primeiras Causas para a Beatificação. 19/10/67; #8-45. “GREA”.

57.  Gualdrini, Franco. Reitor de Capranica. 22/05/61; #21-352. “GUFRA”.

58.  Ilari, Annibale.  Abade. 16/03/69; #43-86. “ILA”.

59.  Laghi, Pio. Núncio Apostólico, Delegado para Argentina, e depois para EUA, até 1995. 24/08/69; #0-538. “LAPI”.

60.  Lajolo, Giovanni. Membro do Conselho de Assuntos Públicos da Igreja. 27/07/70; #21-1397. “LAGI”.

61.  Lanzoni, Angelo. Chefe do Ofício da Secretaria do Estado. 24/09/56; #6-324. “LANA”.

62.  Levi, Virgillio (aliás Levine), Monsenhor. Diretor Assistente do Jornal Vaticano Oficial, L’Osservatore Romano. Administra a Estação de Rádio do Vaticano. 04/07/58; #241-3. “VILE”.

63.  Lozza, Lino. Chanceler da Academia S. Tomás de Aquino da Religião Católica em Roma. 23/07/69; #12-768. “LOLI”.

64.  Lienart, Achille. Cardeal. Grão Mestre Maçom. Bispo de Lille, França. Recruta maçons. Foi líder das forças progressivas no Concílio Vaticano II.

65.  Macchi, Pasquale. Cardeal. Prelado de Honra e Secretário Particular de Papa Paulo VI, até ser excomungado pelo mesmo por heresia. Foi reimpossado pelo Secretário do Estado Jean Villot, e feito cardeal. 23/04/58; #5463-2. “MAPA”.

66.  Mancini, Italo. Diretor da Sua Santita. 18/03/68; #1551-142. “MANI”.

67.  Manfrini, Enrico. Consultor Leigo da Comissão Pontifical da Arte Sagrada. 21/02/68; #968-C. “MANE”.

68.  Marchisano, Francesco. Prelado de Honra do Papa. Secretário da Congregação para Seminários e Universidades de Estudos. 04/02/61. “FRAMA”.

69.  Marcinkuns, Paul. Guarda-costas americano para o Papa impostor. De Cicero, Illinois. Mede 2 m. Presidente do Instituto para Treinos Religiosos. 21/08/67; #43-649. Chamado “GORILA”. Nome de código “MARPA”.

70.  Marsili, Salvatore. Abade da Ordem do S. Benedito de Finalpia perto de Modena, Itália. 02/07/63; #1278-49. “SALMA”.

71.  Mazza, Antonio. Bispo Titular de Velia. Secretário Geral do Ano Santo, 1975. 14/04/71; #054-329. “MANU”.

72.  Mazzi, Venerio. Membro do Conselho de Assuntos Públicos da Igreja. 13/10/66; #052-S. “MAVE”.

73.  Mazzoni, Pier Luigi. Congregação dos Bispos. 14/09/59; #59-2. “PILUM”.

74.  Maverna, Luigi. Bispo de Chiavari, Piemonte, Itália. Assistente Geral da Ação Católica Italiana. 03/06/68; #441-C. “LUMA”.

75.  Mensa, Albino. Arcebispo de Vercelli, Piemonte, Itália. 23/07/59; #53-23. “MENA”.

76.  Messina, Carlo. 21/03/70; #21-045. “MECA”.

77.  Messina, Zanon (Adele). 25/09/68; #045-329. “AMEZ”.

78.  Monduzzi, Dino. Regente para o Prefeito da Casa Pontifical. 11/03/67; #190-2. “MONDI”.

79.  Mongillo, Daimazio. Professor de Teologia Moral Dominicano, Instituto de Santos Anjos de Roma. 16/02/69; #2145-22. “MONDA”.

80.  Morgante, Marcello. Bispo de Ascoli Piceno à leste da Itália. 22/07/55; #78-3601. “MORMA”.

81.  Natalini, Teuzo. Vice Presidente dos Arquivos do Secretariado do Vaticano. 17/6/67; #21-44D. “NATE”.

82.  Nigro, Carmelo. Reitor do Seminário Pontifical de Estudos Maiores. 21/12/70; #23-154. “CARNI”.

83.  Noe, Virgillio. Cabeça da Sagrada Congregação da Adoração Divina. Ele e Bugnini pagaram 5 Ministros Protestantes e um Rabino judeu para criar a Missa Novus Ordo. 03/04/61; #43652-21. “VINO”.  

  Virgilio Noe

84.   Orbasi, Igino. 17/09/73; #1326-97. “ORBI”.

85.  Palestra, Vittorie. Ele é o Conselheiro Legal da Rota Sagrada do Estado Vaticano. 06/05/43; #1965. “PAVI”.

86.  Pappalardo, Salvatore. Cardeal. Arcebispo de Palermo, Sicília. 15/04/68; #234-07. “SALPA”.  

  Salvatore Pappalardo

87.  Pasqualetti, Gatorade. 15/06/60: #4-231. “COPA”.

88.  Pasquinelli, Dante. Conselho de Núncio de Madri. 12/01/69; #32-124. “PADA”.

89.  Pellegrino, Michele. Cardeal. Chamado “Protetor da Igreja” Arcebispo de Turim (onde se encontra o Santo Sudário). 02/05/60; 352-36. “PALMI”.

90.  Piana, Giannino. 02/09/70; #314-52. “GIPI”.

91.  Pimpo, Mario. Vigário do Ofício de Assuntos Gerais. 15/03/70; #793-43. “PIMA”.

92.  Pinto, Monsenhor Pio Vito. Adido da Secretaria do Estado e Notare da Segunda Seção do Supremo Tribunal e da Assinatura Apostólica. 02/04/70; #3317-42. “PIPIVI”.

93.  Poletti, Ugo. Cardeal. Vigário da Santíssima Diocese de Roma. Controla os clérigos de Roma desde 06/03/73. Membro da Sagrada Congregação de Sacramentos e Adoração Divina. Ele é o Presidente dos Trabalhos Pontificais e Preservação da Fé. Também Presidente da Academia Litúrgica. 17/02/69; #32-1425. "UPO”.

94.  Ratosi, Tito. 22/11/63; #1542-74 “TRATO”.

95.  Rizzi, Monsenhor Mario. Sagrada Congregação de Ritos Orientais. Listado como “Bispo Prelado de Honra do Santo Padre, o Papa.” Trabalha sob chefe Maçônico Mario Brini na manipulação das Leis Canônicas. 16/09/69; #43-179. “MAR”, “MONMARI”.

96.  Romita, Florenzo. Estava na Sagrada Congregação dos Clérigos. 21/04/56; #52-142. “FIRO”.

97.  Rogger, Igine. Oficial da Santa Sé. (Diocese de Roma). 16/04/68; #319-13. "IGRO”.

98.  Rossano, Pietro. Sagrada Congregação de Religiões Não-Cristãs. 12/02/68; #3421. “PIRO”.

99.  Rotardi, Tito. 13/08/63; #1865-34. “TROTA”. 

100.  Rovela, Virgillio. 12/06/64; #32-14. “ROVI”.

101.  Sabbatani, Aurelio. Arcebispo de Giustiniana (Giusgno, Província de Milar, Itália). Primeiro Secretário da Suprema Assinatura Apostólica. 22/06/69; #87-43. "ASA”.  

  Aurelio Sabbatani

102.  Sacchetti, Giulio. Delegado de Governadores - Marchese. 23/08/59; #0991-B. “SAGI”.

103.  Salerno, Francesco. Bispo. Prefeito Atti. Ecles. 04/05/62; #0437-1. “SAFRA”.

104.  Santangelo, Francesco. Substituto Geral de Conselho de Defesa Legal. 12/11/70; #32-096. “FRASA”.

105.  Santini, Pietro. Vice Oficial do Vigário. 22/08/64; #326-11. “SAPI”.

106.  Savorelli, Fernando. 14/01/69; #004-51. “SAFE”.

107. Savorelli, Renzo. 12/06/65; #34-692. “RESA”.

108. Scanagatta, Gaetano. Sagrada Congregação dos Clérigos. Membro da Comissão de Pomei e Loreto, Itália. 23/09/71; #42-023. “GASCA”.

109. Schasching, Giovanni. 18/03/65; #6374-23. “GISCHA”, “GESUITA”.

110. Schierano, Mario. Bispo Titular de Acrida (Província de Acri em Cosenza, Itália). Chefe Capelão Militar das Forças Armadas Italianas. 03/07/59; #14-3641. “MASCHI”.

111. Semproni, Domenico. Tribunal do Vicariato do Vaticano. 16/04/60; #00-12, “DOSE”.

112. Sensi, Giuseppe Maria. Arcebispo Titular de Sardi (Ásia Menor, perto de Smyrna). Núncio Papal para Portugal. 02/11/67; #18911-47. “GIMASE”.

  Giuseppe Maria Sensi

113. Sposito, Luigi. Comissão Pontifical para os Arquivos da Igreja na Itália. Administrador Chefe da Cadeira Apostólica do Vaticano.

114. Suenens, Leo. Cardeal. Título: Protetor da Igreja de S. Pedro nas Correntes, fora de Roma. Promove Pentecostalismo Protestante (Carismáticos). Destruiu muitos dogmas da Igreja quando trabalhou em três Sagradas Congregações; 1) Propagação da Fé; 2) Ritos e Cerimônias na Liturgia: 3) Seminários. 15/06/67; #21-64. “LESU”.  

115 .   Tirelli, Sotiro. 16/05/63; #1257-9. “TIRSO”.  

116. Trabalzini, Dino. Bispo de Rieti (Reate, Perugia, Itália). Bispo Auxiliar do Sul da Roma. 06/02/65; #61-956. “TRADI”.

117. Travia, Antonio. Arcebispo Titular de Termini Imerese. Chefe das escolas Católicas. 15/09/67; #16-141. "ATRA".

118. Trocchi, Vittorio. Secretário para Laicato Católico na Constituição da Consultoria de Estado Vaticano. 12/07/62; #3-896. “TROVI”.

119. Tucci, Roberto. Diretor Geral do Rádio Vaticano. 21/06/57; #42-58. “TURO”.

120. Turoldo, David. 09/06/67; #191-44. “DATU”.

121. Vale, Giorgio. Sacerdote. Oficial da Diocese de Roma. 21/02/71; #21-328. “VAGI”.

122. Vergari, Piero. Chefe do Oficial de Protocolo da Assinatura do Ofício Vaticano. 14/12/70; #3241-6. “PIVE”.

123. Villot, Jean. Cardeal. Secretário do Estado durante o Papa Paulo VI. Ele é um Camerlengo (Tesoureiro). “JEANNI”, “ZURIGO”.

- No início de setembro de1978 o recém empossado Papa João Paulo I pediu ao seu Secretário do Estado Cardeal Jean Villot iniciar uma investigação nas operações do Banco Vaticano. Concordou também em se encontrar com a delegação de congressistas americanos para discutir sobre o controle da população mundial e da natalidade.

- Em 28 de setembro de 1978 João Paulo I apresenta ao Cardeal Villot uma lista de pessoas a serem transferidas, ou a apresentarem as suas resignações, ou demitidas. Todas as pessoas da lista eram suspeitas de serem membros do grupo Maçônico "P2", inclusive o próprio Villot.

- Em 29 de setembro de 1978 o Papa João Paulo I é encontrado morto na cama. Villot emite falsas declarações à imprensa acerca das circunstâncias envolvendo a morte, remove todas as evidências chaves do quarto do Papa e ordena que o corpo seja embalsamado imediatamente sem a autópsia... 

("Entre aqueles que ofenderam a Igreja de Roma, havia o Cardeal Jean Villot. Ele recebeu o castigo merecido." - Nossa Senhora a Veronica Lueken em 01 de julho de 1985)

124. Zanini, Lino. Arcebispo Titular de Adrianópolis, Turquia. Núncio Apostólico. Membro do Venerado Edifício da Basílica de S. Pedro. 

         Como estas almas inteligentíssimas que alcançaram posições proeminentes na Hierarquia se dedicam as suas vidas à hipocrisia e ao combate ao Deus verdadeiro, é um grande mistério. São os Judas Iscariotes de hoje, do qual Jesus falou: "...Seria melhor para esse homem que jamais tivesse nascido!" (Mt. 26:24).

         Porém, o seu mal maior, que os leva à perdição, é a crença de que o seu pecado é maior que a infinita Misericórdia de Deus... 

 

Fonte: http://br.geocities.com/petitpinscher/